Acerca de mim

A minha fotografia
Este blog está a ser desenvolvido por alunos do 3º Ano de Farmácia, do Instituto Politécnico de Bragança, no âmbito da Unidade Curricular Farmacoterapia I. Neste espaço pretendemos abordar, ao longo do semestre, informação útil acerca de Infecções Fúngicas, nomeadamente as suas caracterizações patológicas e respectivos tratamentos farmacológicos.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Candidíase

Caracterização


Candidíase é o nome que se dá a infecção fúngica (micose) causado pelas espécies de Candida. Já está comprovado que as espécies de Candida constituem o grupo mais importante de patógenos fúngicos oportunistas.


Embora mais de 100 espécies de Candida já tenham sido descritas, apenas algumas têm sido implicadas em infecções clínicas, como, por exemplo, C.albicans, C.glabrata e C.tropicalis.


 Origem


A espécie mais comum do fungo Candida é a Candida albicans, considerado um membro normal da flora gastrointestinal e geniturinário dos humanos. A maioria das pessoas são colonizadas por Candida e nenhum sintoma apresentam. Porém, qualquer desequilíbrio na flora local ou no estado imunológico do paciente pode levar esse fungo a se proliferar e invadir tecidos, causando assim a candidíase. Portanto, ter Candida é diferente de ter candidíase, a doença causada pelo fungo Candida.


Até 50% das pessoas saudáveis têm o fungo Candida na cavidade oral.


Candida são colonizadoras conhecidas do homem e de outros animais de sangue quente e, como tal são encontradas no homem e na natureza em todo o mundo. o principal sítio de colonização é o trato gastrointestinal, desde a boca até ao reto. Esses organismos também podem ser encontrados como comensais na vagina e na uretra, na pele e sob as unhas das mãos e dos pés.

 
Sintomas clínicos


As infecções causadas por Candida spp. variam desde a candidíase superficial mucosa e cutânea até a disseminação hematogénica muito extensa, envolvendo órgãos-alvo como o fígado, baço, rins, coração e cérebro. Neste último caso, a mortalidade directamente atribuível ao processo infeccioso chega a 50%.

 
Infecções mucosas


As infecções mucosas causadas por Candida spp. (conhecidas como “sapinhos”) podem limitar-se à orofaringe ou estender-se ao esófago e todo o tracto gastrointestinal.

Nas mulheres, a mucosa vaginal constitui também um sítio comum de infecção.

As infecções são observadas geralmente em pessoas com imunossupressão local ou generalizada ou nos ambientes que favorecem o crescimento exagerado dos organismos infecciosos.

Candidíase mucosa oral
Essas infecções apresentam-se normalmente com manchas brancas na superfície mucosa. Outras apresentações incluem o tipo pseudomembranoso, que revela uma superfície que sangra quando arranhada: o tipo eritematoso, representado por áreas planas, avermelhadas e ocasionalmente dolorosas; a leucoplasia por Candida, que é o espessamento esbranquiçado e irremovível do epitélio, causada por Candida spp. e a quelite angular, representada por fissuras dolorosas nos cantos da boca.


Infecções cutâneas

Candidíase cutânea membrana
dos dedos dos pés


Candida spp. pode provocar infecção cutânea localizada em áreas nas quais a superfície da pele é ocluída e húmida (ex.: virilhas, axilas, membranas dos dedos dos pés e dobras dos seios). Essas infecções apresentam-se como um exantema prurítico com lesões vesiculopustulares eritmatosas.




Infecções mucocutâneas

A candidíase mucocutânea crónica é um quadro raro marcado por uma deficiência na capacidade de resposta dos linfócitos T à Candida spp. Nestes casos os pacientes sofrem de lesões mucocutâneas graves e irreversíveis causadas por Candida que incluem o envolvimento das unhas e a vaginite. Lesões como estas podem tornar-se significativamente extensas, chegando a uma aparência granulomatosa desfigurante.



Infecções do tracto urinário

O envolvimento do tracto urinário com Candida spp. varia desde a colonização assintomática da bexiga até abcessos renais secundários à disseminação hematogénica. A colonização da bexiga por Candida spp. não é essencialmente notada, a menos que um paciente precise de usar um cateter de longa permanência, tenha diabetes, sofra de obstrução urinária ou tenha passado por procedimentos urinários anteriores.



Infecções do Sistema Nervoso Central (SNC)


A candidíase no SNC pode ocorrer como resultado da doença hematogénica ou estar associada a procedimentos neurocirúrgicos e desvios ventriculoperitoneais. Esse processo pode imitar um quadro de meningite bacteriana, ou então apresentar-se como um curso indolente ou crónico.



Infecções de envolvimento cardíaco

A maioria dos casos de envolvimento cardíaco com Candida spp. resulta da colonização hematogénica de uma válvula cardíaca danificada ou protética, do miocárdio ou do espaço pericárdico. A literatura já informa casos de implantação de válvulas cardíacas contaminadas com C. parapsilosis.

A sua apresentação clínica assemelha-se muito à endocardite bacteriana, com febre e sopro cardíaco.



Infecções hematogénicas


Os pacientes com candidíase hematogénica demonstram envolvimento frequente dos olhos, manifestando quadros de coriorrenite e endoftalmite. Por esta razão topos os pacientes em risco de candidémia deverão passar por exames oftálmicos cuidadosos e frequentes.


Diagnóstico

O diagnóstico de candidíase faz-se laboratorialmente através de vários exames microscópicos, envolve a busca de material clínico apropriado, seguida de exame microscópico directo e da cultura.


Tratamento

Há várias opções de tratamento para candidíase. As infecções mucosas e cutâneas podem ser tratadas com vários cremes tópicos diferentes, loções, pomadas e supositórios contendo vários agentes antifúngicos à base de azóis. A terapia sistémica oral dessas infecções também pode ser feita com fluconazol ou cm iraconazol.


Prevenção


Como ocorre na maioria das doenças infecciosas, a prevenção é a opção preferida ao tratamento de uma infecção por Candida instalada. Para isso, é obrigatório: evitar o uso de agentes antimicrobianos de amplo espectro; cuidados meticulosos com os cateteres e obediência rigorosa às precauções de controlo de infecções.



Sem comentários:

Enviar um comentário